quero dizer que manuelzão foi boi – IX

29 junho, 2008 at 12:45 am 3 comentários

onde o instante da vaca é universo
onde o estado do boi pode caminho
a rua do seu corpo é só poeira
o valo do seu corpo é vau-de-rio
bandeira no horizonte é saia morta
que faz marruco (dizer) estripulia.

manuel carrega em pelo o horizonte
e sempre diz de ser belo vaqueiro.

Anúncios

Entry filed under: Inéditos, Manuelzão.

cálida me chega a tua noite (raso de delírio: o meu cão morto)

3 Comentários Add your own

  • 1. meg  |  29 junho, 2008 às 10:56 am

    Mas de Manuelzão,
    se eu quero
    saber o golpe de alma,
    a ousadia de ser e dizer
    do vaqueiro audaz
    as façanhas
    memórias longínguas
    a vida

    …como?…quando?
    Beijo
    Meg

    Responder
  • 2. Romério Rômulo  |  29 junho, 2008 às 11:12 am

    meg:
    como e quando?você pode falar do “vaqueiro” a partir do rosa.
    um beijo.
    romério

    Responder
  • 3. Tenorius  |  15 outubro, 2008 às 3:21 pm

    valeu boi!

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Feeds

junho 2008
S T Q Q S S D
    jul »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

RSS Fênix em Verso e Prosa

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

%d blogueiros gostam disto: