Archive for 3 junho, 2008

Wilmar Silva entrevista RR

(Retirado do site Germina Literatura)

Wilmar Silva — Ao final da origem, o que guarda de Felixlândia na memória da infância?

Romério Rômulo — Por seis meses meus pais moraram em Felixlândia e lá eu nasci. Assim, Felixlândia não chega a ser um retrato na parede. Mas a vida deles, e por conseqüência a minha, na infância, foi sempre pelo cerrado, nas proximidades do Rio São Francisco. Daí, terra, cerrado e rio são meus elementos vitais. Mesmo aquela planura monótona me toca. E fui descobrir, mais tarde, que a pouca atratividade do cerrado é só aparente. Você descobre, se dentro dele, belezas intensas. Uma das flores mais bonitas que conheço é a do pequizeiro. E quem esperaria que aquela árvore sugerisse isso? (não me pergunte se sou um pequizeiro — espinhos e mais espinhos na fruta — com algumas flores!)

(mais…)

3 junho, 2008 at 11:08 pm Deixe um comentário

fundamento

um corpo pode ser muito tamanho
se lhe carregam um lastro tão maior
que o tempo. lhe devora as entranhas
o nu ressequido, extirpado, nuvem
de gafanhotos da noite.

tamanho corpo, nu, pode ser noite,
se a alma rasa sobrar só em calúnia,
se a boca nua se extirpar em pedra,
se o rasgo do ouvido for espaço.

(extirpar o cancro salgado do olho)

3 junho, 2008 at 10:55 pm 4 comentários


Feeds

junho 2008
S T Q Q S S D
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

RSS Fênix em Verso e Prosa

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.