(raso de delírio: o meu cão morto)

29 junho, 2008 at 12:47 am 6 comentários

rio acima duas canções se fazem.
alargado meu peito desfalece.
que arcos hão de vir, sombriamente,
falar, cerrado puro, do meu lastro?

e se os risonhos da manhã me deceparem?

acaso sou poesia ou sou manhã?
acaso uma nascente é tão nascente
que só se faça romper pela clausura?

vou de saberes, que saberes estes
são uivos que caminho pelas águas
e águas são de um sólido mais brusco
que desfalecem os ranços já chegados.
cauda selvagem, se me sobra toda
a vida por parir mais que selvagem.

Anúncios

Entry filed under: Matéria Bruta.

quero dizer que manuelzão foi boi – IX varas de vida que trago das poeiras

6 Comentários Add your own

  • 1. meg  |  29 junho, 2008 às 10:40 am

    vou de saberes, que saberes estes
    são uivos que caminho pelas águas

    cauda selvagem, se me sobra toda
    a vida por parir mais que selvagem.

    Raso delírio… do meu lastro

    Raso delírio de palabras!

    Beijo
    Meg

    Responder
  • 2. Romério Rômulo  |  29 junho, 2008 às 11:10 am

    meg:
    você está com energia,vejo.obrigado pelas palavras.
    um beijo.
    romério

    Responder
  • 3. Mário Mendonça  |  29 junho, 2008 às 11:13 am

    Caro Romério

    ” Que delírio surreal ”

    Abraços

    Responder
  • 4. Romério Rômulo  |  29 junho, 2008 às 12:54 pm

    mário:
    se você visitar o “fênix” encontra por lá um delírio do gullar.
    estamos a amontoar delírios.
    um abraço.
    romério

    Responder
  • 5. lu dias  |  29 junho, 2008 às 8:25 pm

    RR

    Você é poesia e é manhã…

    Amigo, tenho feito propaganda de seu livro.
    Gostaria de saber se já está nas livrarias de Beagá?

    Um beijo no seu coração e outros tantos amarrados a cada cacho de seus cabelos.

    lu dias

    Responder
  • 6. Romério Rômulo  |  29 junho, 2008 às 10:58 pm

    lu:
    obrigado pela divulgação do livro.ele foi publicado ao final de 2006
    e é vendido nas grandes redes como “saraiva”,”cultura” e outras.
    essas redes de livrarias vendem,inclusive,pela internet.deve existir
    algum exemplar na livraria do palácio das artes,pois aconteceu um
    lançamento lá.agradeço todos os beijos.e mando outros.
    romério

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Feeds

junho 2008
S T Q Q S S D
    jul »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Top Posts

RSS Fênix em Verso e Prosa

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

%d blogueiros gostam disto: