Archive for setembro, 2008

(abertura)

uma poesia deserta, texto de pedra e secura.
poesia de ferreiro: metal e martelo.
uma poesia brasa candente. cozer tudo,
ato do verso, dure tanto ou nada.

30 setembro, 2008 at 11:44 pm 6 comentários

(aços tua viagem)

se as entranhas da terra te atropelam,
resta o veio da manhã, a pedra,
o dedilhado de montanha que te lambe.
falta tua memória de noite, teu fazer
de nuvem, tua viagem de eito.

aços convirão sobre teus ombros.
feroz, manhã há de lamber tua boca.

24 setembro, 2008 at 8:15 pm 13 comentários

texto de pedra

uma poesia brasa candente. cozer tudo,
ato do verso, dure tanto ou nada
.

21 setembro, 2008 at 12:05 am 10 comentários

(levantar poço e água)

buscar os bois do meu campo, uivo, latido,
guardar os animais da memória,
latir uma cavalo potro ressequido,
levantar a água esguia do poço,
saber uns baldes de tanto cansaço.

tudo é ausência de cerrado.

avós de diamantes, tesouros monásticos,
assembléias de escravos, podem ser razão
de minha ausência.

uns valos de bois, umas manias de cavalo
chucro,
um atar de cachorro louco.

luzes e bois, fundidos, se rebatem.

20 setembro, 2008 at 11:56 pm 6 comentários

per anima

per anima! fraqueza e indolência
vertebram este corpo.
quando deles nascem ruídos
a mata estrepitosa permanece.
o lombo do olho, a face reservada
dizem sabedoria. se estar no canto
estabelece verdade, sobra à tarde
resguardar silêncios.
o corte da pedra, a faca, um elefante
de noite se estabelecem no ventre
como bravos. a pura cidade
é permanência.
cada luz
um ventre desvairado.

19 setembro, 2008 at 12:13 am 2 comentários

(proprietários de heranças)

qual ser dono de metade da pedra
é o desejo. quandos se mostram
cerdades atalhadas de medo.
um sumidouro de ladeiras
fez o cerrado caber no palmo
que instante de fé.
obuses nos sufragaram
a garganta tênue de águas.
umas várzeas olharam sono
de estalo. deuses fizeram do riso
a arma. as almas gritaram
poças de areia como inferno.

sobraçaram em regaços. outros.

9 setembro, 2008 at 12:01 am 26 comentários

frugal

me cabe mostrar
a densa face do meu rosto,
a tênue dança do meu lábio,
o rastro duro de uma ânsia selvagem.

8 setembro, 2008 at 7:07 pm 12 comentários

cantiga de roda

(para mãe e pai encantados)

é uma cantiga só
de um poeta na estréia
nasceram bibi e dodó
as flores da paulicéia.

a mãe é mãe amorosa
o pai, violão, bandolim
bibi com a face da rosa
dodó com a cor do jasmim.

bibi, beatriz, abelha
dodó, de caymmi, dora
uma, na ponta da telha
outra, na pele da aurora.

7 setembro, 2008 at 4:19 pm 9 comentários

delírio quase louco, desdourado

despir o corpo das pedras da polêmica,
andrajos de palavras, soletrar um
tempo de rosto que desvenda a noite.

4 setembro, 2008 at 12:27 am 6 comentários

(uns brilhos arregaçam manga)

esquadros retropeçam minha noite.
astros delgados assobiam os orvalhos.
acauã surte efeito de praga
na saliência das ruas.
uns brilhos arregaçam manga
e dizem vento.
jazem donzelas na calada de noite.

quanto uivo contém um aguaceiro?

(uns brilhos arregaçam manga)

3 setembro, 2008 at 11:20 pm 4 comentários

(paisagem)

1.
aquele mar de fendas que te lasca
o corpo de sabidas substâncias
tem um rouco tinir de asa morta.

2.
velada montanha jaz rio adentro.
seus peixes de hortelã são um ofício
das telas.

2 setembro, 2008 at 1:18 pm Deixe um comentário

verbo infiel

o gesto de palavra pode ser
algo inserido entre tumulto e mão.

1 setembro, 2008 at 11:24 pm 12 comentários

(aguaças transladam húmus)

1.
temporal derrubou mais de duzentas palavras,
aquinhoou postes da mata com o chão,
tripudiou sanções do revés da terra.
águas no enxurrio trouxeram mamatas aos
bebedouros:
lava verteu fluida, massenta, lavada.
no campeamento, aves emborcadas.
e o prefeito prometeu dar tapa aos pingos.

2.
se as entranhas da terra têm vergonha
resta-lhes a ilusão de cidade.
falo por uns sentimentos desuivos, lobo aguado
de um sentimento cerrado.
galhos apodrecem na face
como frutas sobem as moitas de gente.

3.
desavos.
meu sobrenome cavalo trafega aguares.

1 setembro, 2008 at 11:16 pm 2 comentários


Feeds

setembro 2008
S T Q Q S S D
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

RSS Fênix em Verso e Prosa

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.