Archive for julho, 2011

amor 5, 6, 7

5.
o amor é faca sem corte
te faz promessa, te beija
te retalha, te esquarteja
te sangra perto da morte.
6.
o amor é riso, depressão, paulada
concerne sempre a um estado puro
onde o tratado, cada vez mais duro
faz do meu corpo gado de invernada.
7.
há um amor. e ela é minha amada
temos, os dois, o mesmo endereço
tudo funciona, que na nossa estrada
um vê o outro sempre pelo avesso.

romério rômulo

29 julho, 2011 at 7:23 pm 3 comentários

maradona foi gol num palavrão

1.
o caminho da vida é ato duro
que remete feroz à contrição
maradona em estado de cão podre
foi feliz por lavrar a solidão.
2.
pela fresta do mundo e adjacências
desmontado do puro vendaval
num bocejo de graves consequências
maradona vestido de água e sal
3.
fez valer suas éguas e aparências
na corrida arcada do sertão
numa perna outra perna de evidências
maradona foi gol num palavrão.

romério rômulo

26 julho, 2011 at 7:38 pm 2 comentários

rivotril, 9 (per augusto)

“profundissimamente hipocondríaco”
só bebo rivotril pelo gargalo.

a minha mão esclerosada em calo
não se retrata em verso elegíaco
ao me mostrar a vida pelo talo.

eu, filho do carvão e do amoníaco.

romério rômulo

23 julho, 2011 at 3:42 am 2 comentários

corpo, 2

flor, paisagem, rosto, concha, tela
com o cio a pisar nos meus ouvidos
essa mulher é um riso e uma cadela

seu sopro e sua carne, eu caibo nela
e ao me tomar o corpo de ruídos
ela me monta, me torce e me atropela.

romério rômulo

17 julho, 2011 at 2:34 am 2 comentários

cordel para Maradona, 1 (osso do sertão)

1.
por tudo maradona é o mais santo
dos deuses argentinos de gardel
sua lavra seguida, seu tropel
fazem campos sair das evidências
se o fulano o abastece de premências
ele é o deus mais cantado do cordel.
2.
já o vi retomar abstinências
numas falas de santa criatura
só moldada a aço e angustura
pra deixar no troféu sua missão
ele é indio, estádio, perdição
um petardo suspeito de clemências
com uma bala de crua arquitetura
dom diego ferreira lampião.
3.
foi o dono dos pontos cardeais
quando em sul manobrou a sua mão
uma santa criatura em pedestais
alagados de tangos argentinos
viva zeus, maradona, esse menino
que ao mundo só trouxe redenção
um irmão, o mais moço, em virgulino
com a bala feroz de lampião.
4.
o pavão misterioso foi atado
maradona é o osso do sertão.

romério rômulo

10 julho, 2011 at 3:21 am 2 comentários

a mão de picasso, 1

a fala do meu corpo em seu mormaço
se fez medir no pulso reticente
ao me fazer mostrar cada pedaço

quanto eu devo à treva, um penitente
por me saber cavalo e cão, bagaço
da minha mão caída de dormente?

se as estradas trovejam por meus guias
cavalo e cão e boi, estardalhaços
todos os ossos comidos de atrofias
só vão arder mordidos e devassos

num erro extasiado de picasso
peguei na sua mão tardiamente
o mundo é o rastro final de um estilhaço.

romério rômulo

3 julho, 2011 at 5:17 pm 1 comentário


Feeds

julho 2011
S T Q Q S S D
« jun   ago »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Top Posts

RSS Fênix em Verso e Prosa

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.