Archive for 5 junho, 2008

misturinha

renata: misturei você com o vinicius.

eu sofro no escuro, eu sofro o ausente
que é a forma de sofrer por certa gente

eu sofro nas entranhas, eu sofro nos vazios
que é a forma de rasgar todos os rios

eu sofro pela luz, eu sofro pela treva
que é a forma de tratar todo o leva-

do corpo, a ânsia toda, a imensidão
que é a forma de varrer a podridão.

eu sofro no escuro, eu sofro o ausente
de repente, não mais que de repente.”

5 junho, 2008 at 1:04 pm 4 comentários

esplandecido

1.
túrgida e ventada manhã,
toda ela acesa.
duro ranço da noite. em verdade
martelos são macios se levados
ao fogo da paixão e perquiridos.

2.
e produzir umas clarezas tais
que não se faça ambigüidade equivalente.
martelar o afoito do dia,
reduzir a quirera da noite no sopapo.
rasgar latejamento, sangue podre.

se sobra escuridão, que assim seja!

(destroncamentos)

5 junho, 2008 at 6:00 am 3 comentários


Feeds

junho 2008
S T Q Q S S D
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

RSS Fênix em Verso e Prosa

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.