eu sempre fui ao coração das coisas

24 janeiro, 2012 at 5:49 am 9 comentários

eu sempre fui ao coração das coisas
revelei minhas tripas aos insensatos
e velejei pelos mares mais torpes
em busca da ciranda.
parti todas as lanças que me mandaram
e, no último instante, arremessei meus ossos
no lodo.

quando virem um ser penado
uma vaga incandescente nas valas
contem certo:
sou eu atravessado nos pastos.

romério rômulo

Anúncios

Entry filed under: Uncategorized.

a sua pele branca de algodão, 1 minha poesia está solta na vila

9 Comentários Add your own

  • 1. inatngivelMirse  |  24 janeiro, 2012 às 6:20 am

    Romério!

    Você escreve bem demais. O poema embora triste é belíssimo!Mesmo assim, no caso de ver um ser penado numa vala, não vou conferir, principalmente sabendo que pode ser um poeta.

    Beijos

    Mirze

    Responder
  • 2. Tania  |  24 janeiro, 2012 às 11:19 am

    Querido, você É o coração das coisas. Sinto-o quando leio seus versos. Maravilhoso!
    Beijos,

    Responder
  • 3. Ana Cecília  |  24 janeiro, 2012 às 1:59 pm

    Nossa! Seu poema nos deixa atravessados nos pastos.
    Abraço grande, poeta!

    Responder
  • 4. Adriano Nunes  |  24 janeiro, 2012 às 4:14 pm

    Amigo Romério,

    que poema lindo! Grato por ter-me enviado!

    Abraço forte,
    Adriano Nunes

    Responder
  • 5. eriqa  |  24 janeiro, 2012 às 11:48 pm

    *sorrindo*

    num dia cinza, Prof, uma nesga de luz.

    um beijo,
    e.

    Responder
  • 6. lilly falcao  |  25 janeiro, 2012 às 10:29 pm

    a ciranda é quem pede para ser encontrada e bem dita por ti, poeta.

    lilly falcão.

    Responder
  • 7. Flávia  |  27 janeiro, 2012 às 10:26 pm

    Também eu quero viajar em busca de cirandas.
    Para me encontrar, talvez.

    Responder
  • 8. cisco zappa  |  24 fevereiro, 2012 às 9:41 pm

    crítica do mundo presente.
    o poeta aqui expõe o avesso do espelho
    e
    uma subjetividade rebelde.

    evoé!

    muito bom estontear-se por aqui.

    Responder
  • 9. Bípede falante  |  9 março, 2012 às 8:21 am

    Que raro e dramático poema!

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Feeds

janeiro 2012
S T Q Q S S D
« dez   fev »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

RSS Fênix em Verso e Prosa

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

%d blogueiros gostam disto: