a paixão do poeta

26 março, 2009 at 9:45 pm 29 comentários

1.
posso envernizar minha paixão.
posso dar-lhe uma nesga de brilho,
poli-la como aos sapatos burgueses,
os tecidos que encantam os salões,
as lantejoulas que efervescem a noite.
posso mesmo escavá-la como se faz com o furúnculo,
e, adentrado o seu pus,
arrebentá-la nas encostas de mim.
posso derivá-la em vida, cachoeira viva
que nunca será rio.

posso, então, o quê!

nada. nada posso
que não seja a sua própria carne,
seus espamos,
sua efusiva e momentânea fúria.

de tudo
o risco na pedra
vai dizer.
e só.

2.
a fúria, a tortura, os desejos
são caldos que engrossam a noite.
tensos, passamos pó sobre as feridas,
lambemos nossas almas de pedra,
reviramos cada estalo, cada medo.

os ruídos adentram nossa veia
como fogo da morte.
nada nos diz o silêncio. sobre nós
as formigas ressaltam seus desejos.

a chuva perdida sobre as portas
entrava as dobradiças, enferruja os homens.
a veia de minas, o chão de minas
nos confunde.

resta buscar o que sobrou do amor.

Anúncios

Entry filed under: Uncategorized. Tags: , .

pura pedra álvaros amplos de dizer

29 Comentários Add your own

  • 1. líria porto  |  27 março, 2009 às 8:50 am

    “de tudo
    o risco na pedra
    vai dizer.
    e só.”

    assim somos
    líria porto

    nossa humanidade consiste
    em sentirmo-nos fortes como o tronco das árvores
    capazes de resistir às intempéries
    e estarmos tão vulneráveis quanto a folha
    que a qualquer momento pode se desprender

    *
    besos

    Responder
    • 2. Romério Rômulo  |  28 março, 2009 às 12:22 pm

      líria:
      boa fala.
      um beijo.
      romério

  • 3. nina rizzi  |  27 março, 2009 às 11:22 am

    eu não gosto dos poemas
    engomados, enfeitados
    empregadinhos
    burguesinhos.

    eu gosto dos poemas livres
    dos livres.

    eu gosto dos teus poemas rr.

    (e esse livresco apontado aqui à direita? eu quero… rs..)

    Responder
    • 4. Romério Rômulo  |  28 março, 2009 às 12:25 pm

      nina:
      o livro à direita e alguns outros podem ser encontrados por aí.
      inclusive via internet,em livrarias e sebos.
      não é possível botar gravata nessa poesia.
      romério

  • 5. meg  |  27 março, 2009 às 2:31 pm

    Romério,

    Deixa-me passear pelos teus versos, degustá-los como uma iguaria rara.
    E procurar a verdadeira Paixão do Poeta.

    Um beijo

    Responder
    • 6. Romério Rômulo  |  28 março, 2009 às 12:29 pm

      meg:
      boa caminhada.
      um beijo.
      romério

  • 7. Ana  |  27 março, 2009 às 7:05 pm

    Gosto da sua poesia. Forte e dura na intensidade das palavras.
    bj

    Responder
    • 8. Romério Rômulo  |  28 março, 2009 às 12:30 pm

      ana:
      força e dureza.coisa de sertanejo.
      um beijo.
      romério

  • 9. adriano nunes  |  27 março, 2009 às 9:59 pm

    Caro Romério,

    OBRA-PRIMA!!!!!!!!!!!!!!
    Para ser guardado,lido,relido,recitado,estudado: senti a minha alma nele! Parabéns!

    Adriano Nunes.

    Responder
  • 10. Romério Rômulo  |  28 março, 2009 às 12:31 pm

    adriano:
    obrigado.a estrada é longa e falta muito.
    meu abraço.
    romério

    Responder
  • 11. adelaide  |  28 março, 2009 às 6:13 pm

    Vou tentar encontrar o Matéria Bruta pela internet. Gosto de seus poemas, Romério.
    Abraço.

    Responder
  • 12. Romério Rômulo  |  28 março, 2009 às 9:01 pm

    adelaide:
    livraria cultura,saraiva,martins fontes vendem este livro via internet.até o submarino tem.você vai encontrá-lo ainda em sebos.
    é só consultar o “sebo virtual”.
    um abraço.
    romério

    Responder
  • 13. Bosco Sobreira  |  29 março, 2009 às 4:49 pm

    O Moacy está sempre me presenteando com novas “descobertas”. No seu caso, caro mestre, já o conhecia, já sabia o sabor e a beleza de sua construção poética. Só não sabia de sua generosidade em partilhar seus poemas na net.
    Sinto-me honrado e agradecido por sua visita.
    Um forte abraço.

    Responder
  • 14. Romério Rômulo  |  29 março, 2009 às 5:01 pm

    bosco sobreira:
    estou por aqui há alguns meses,pela mão de amigos.não domino
    esse aparato.o moacy é sempre o grande companheiro.
    muito obrigado.
    um grande abraço.
    romério

    Responder
  • 15. Martha  |  29 março, 2009 às 5:27 pm

    a paixão me queima, a paixão me maltrata.

    Responder
  • 16. Romério Rômulo  |  29 março, 2009 às 5:29 pm

    martha:
    a paixão é sempre assim.um rio só cachoeira.
    romério

    Responder
  • 17. Ines mota  |  29 março, 2009 às 6:51 pm

    Obrigada, Romerio, por sua visita.
    O seu Blog é muito interessante…o amigo comum, Moacy é sim, do Caicó, assim como eu.
    Grande abraço

    Responder
  • 18. Romério Rômulo  |  29 março, 2009 às 7:00 pm

    inês:
    eu vi que você é de caicó e gosta do munch.eu já disse ao moacy
    que tenho que conhecer caicó,pois este é um deficit cultural que carrego.se a bíblia é reescrita daí,não posso falhar.
    muito obrigado.
    um grande abraço.
    romério

    Responder
  • 19. CRIS LIMA  |  31 março, 2009 às 10:21 pm

    Ah bendito seja o Amor…ele não é resto…é o tudo quando nada temos!
    Lindo,lindo,lindo,lindo,lindo…
    Bjs e afeto
    Cris Lima

    Responder
  • 20. Romério Rômulo  |  31 março, 2009 às 11:32 pm

    cris lima:
    meu amor por vezes chega do avesso.
    meu carinho.
    romério

    Responder
  • 21. CRIS LIMA  |  2 abril, 2009 às 12:59 am

    Uma camisa não perde sua essência ainda que do avesso…pq seria diferente com o Amor?
    Bjs e a admiração de sempre
    Cris Lima

    Responder
  • 22. Romério Rômulo  |  2 abril, 2009 às 7:51 pm

    cris lima:
    vamos prosseguir nessas idéias.
    um beijo.
    romério

    Responder
  • 23. Marcello  |  6 abril, 2009 às 11:14 pm

    Leio sempre aqui; às vezes quero comentar… mas o que dizer do que já está dito?!

    Responder
    • 24. Romério Rômulo  |  6 abril, 2009 às 11:39 pm

      marcello:
      seja bem vindo.
      romério

  • 25. Socorro Lima Dantas  |  11 abril, 2009 às 10:32 pm

    Poeta Romerio Romulo, a paixão do poeta vem de dentro do coração. O poeta é um eterno apaixonado…
    Muito lindo este seu verso.
    Receba o meu abraço literário, com admiração,
    Socorro

    Responder
  • 26. Romério Rômulo  |  13 abril, 2009 às 9:02 pm

    socorro lima dantas:
    a paixão não brinca.
    um abraço.
    romério

    Responder
  • 27. Mirse  |  27 abril, 2009 às 7:18 pm

    Romério seus poemas são um verdadeiro ensinamento!
    Aprende a alma
    Apreende o coração.

    Parabens, grande poeta,

    um grande abraço

    Mirse

    Responder
  • 28. Romério Rômulo  |  6 maio, 2009 às 9:43 pm

    mirse:
    estaremos em contato.
    um abraço.
    romério

    Responder
  • 29. Mirse Maria  |  2 junho, 2009 às 1:16 pm

    Sem Palavras!

    Belo demais!

    Vi o poeta, a paixão, a terra e os versos!

    Sou privilegiada!

    Grata, Romério!

    Beijos

    Mirse

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Feeds

março 2009
S T Q Q S S D
« fev   abr »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

RSS Fênix em Verso e Prosa

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

%d blogueiros gostam disto: