Archive for 18 junho, 2012

vila, 1

esta vila é uma verdade
plena de matos e pedras
rica de ouros e águas
espraiados pelos corpos
que ontem se viram escravos
nos atos mais comezinhos

onde cada ponte leva
onde cada água afunda
a memória dos algozes
do ouro por sucumbir
em lanhos, facas, machados
nos próprios ossos das gentes?

quanta carne se abriu
nos cantos desta cidade
que a fizeram roer ossos
e quebrar-se pelas pedras
entremeadas, devotas
com verdes caldos de lama?

o seu corpo é do diabo
a sua alma é fundida!

romério rômulo

18 junho, 2012 at 12:48 am Deixe um comentário


Feeds

junho 2012
S T Q Q S S D
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

RSS Fênix em Verso e Prosa

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.