tarefa, 1

31 outubro, 2011 at 6:00 pm 1 comentário

recolho a tarefa concreta
de levar a poesia ao descalabro
e à liberdade.

visto a tarefa concreta
de aspergir de poesia cada osso
e o pão devido.

sem a tarefa cumprida
estarei inútil.

romério rômulo

Anúncios

Entry filed under: Uncategorized.

à clara moça dos poetas éguas, aquedutos e estradas

1 Comentário Add your own

  • 1. Mirze Souza  |  31 outubro, 2011 às 6:16 pm

    Bárbaro, Romério!

    A tarefa completa é levar a poesia ao descalabro, À liberdade e para isto você a recolhe.
    Depois asperge de poesia cada osso. Sem isso que por si é o devido pão em doação, o poeta se sentiria inútil.

    Grande, Romério!

    O Máximo!

    Beijos

    Mirze

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Feeds

outubro 2011
S T Q Q S S D
« set   nov »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Top Posts

RSS Fênix em Verso e Prosa

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

%d blogueiros gostam disto: