os meus cavalos, fragmento

26 junho, 2011 at 7:21 am 1 comentário

os meus cavalos são mesmo poetas.
camões rodeia mares pelos pastos
vinícius leva éguas nos arrastos
dos seus trovões, das suas romarias

drummond fica perdido nas orgias.
cabral é tão mais reto que me dói
olhá-lo a habitar geometrias.
meus olhos ficam secos e me roem.

um cavalo das nuvens, tião nunes
lavou meus versos, os deixou imunes.

zé limeira é um cavalo de cordel
augusto, anjo, mói o osso e bebe fel.

romério rômulo

Anúncios

Entry filed under: Uncategorized.

carta a Caravaggio, 4 “quando eu morrer amanhã”

1 Comentário Add your own

  • 1. Mirze Souza  |  26 junho, 2011 às 10:18 am

    Lindíssimo!

    Tenho gatos poetas e músicos: Matisse, Brecht, Kakfa. Sheerazade, Camile, Pollok etc…. Ótima ideia colocar nomes em cavalos, e vêlos dominando montes, levando éguas às orgias e ainda um cavalo de cordel!

    Romério, querido poeta! Você é genial!

    Beijos

    Mirze

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Feeds

junho 2011
S T Q Q S S D
« maio   jul »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  

RSS Fênix em Verso e Prosa

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

%d blogueiros gostam disto: