30 colunas

19 fevereiro, 2011 at 3:32 pm 2 comentários

quando as tripas da noite me envolvem
e sou um homem retinto de pavores
30 colunas perdidas me comovem

quando as tripas da noite me arrematam
e sou o peso morto das palavras
30 colunas tortas me chibatam

quando as tripas da noite me arrebentam
e 30 corvos me roem a carcaça
são as tripas da noite que me inventam.

romério rômulo

Anúncios

Entry filed under: Uncategorized.

Desmantelo Azul sujo, feio, maldito

2 Comentários Add your own

  • 1. Mirze Souza  |  19 fevereiro, 2011 às 3:41 pm

    Romério!

    Adorei a emoção das 30 colunas comovidas com um homem perdido. Em seguida as 30 colunas ficam tortas até virarem 30 corvos. As tripas da noite sabem inventar. Mas roeram sua carcaça!!!!

    Só você, Romério para conseguir tornar melodioso esses versos.

    Eu gostei!

    Beijos

    Mirze

    Responder
  • 2. fernando YOZ  |  20 fevereiro, 2011 às 7:43 pm

    forte sua poesia ! vou tentar ilustrar um verso teu.
    abs,
    YOZ

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Feeds

fevereiro 2011
S T Q Q S S D
« jan   mar »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28  

RSS Fênix em Verso e Prosa

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

%d blogueiros gostam disto: