“a genética da coisa”

17 abril, 2010 at 3:36 pm 11 comentários

(romério rómulo na germina literatura)

O Grito, Edvard Munch, 1893, Óleo e Pastel S/Cartão, 91×73,5 cm, Galeria Nacional de Oslo, Noruega

 

 (o grito)

por romério rômulo 
 
 O poema 

há um relato de voz naquela voz, 
tão retorcida voz, toda ela espanto. 
o corpo que é voz tem um esgar 
que deixa de ser corpo e é só voz. 
 
se munch se dissesse, rediria 
a voz candente, noite de gravura, 
que é gravura e voz que firma a tela. 
 
intensos tão meandros destes traços 
que num itálico do grito a fala sente 
o homem ser só grito, sem mais homem. 
 
(romério rômulo, “matéria bruta”, 2006) 

 Razão 
 

1. o desafio aceito: o caminho 
 
recebo, do josé aloise, o convite/convocação para escrever “a genética da coisa”. 
coisa que é o meu poema “o grito”, trabalhado sobre o munch. aceito. 
cabe buscar o quê dizer. não domino os aparatos críticos. o caminho será o relato 
do caminho de chegada ao poema. que forças me moveram. 
é mais um percorrer a mim mesmo, com as influências que me amarram. 
sempre estive mais para fazendeiro do ar. 
 
“sou fazendeiro do ar, 
do mar, índia, portugal, 
de natal, das trevas, minas. 
sou fazendeiro da noite, 
sou fazendeiro esquisito, 
mais pra feio que bonito, 
menos do bem que do mal. 
claros delírios, donzelas 
verdes azuis amarelas, 
nascentes do meu jardim. 
fazendeiro de fazendas, 
mistura de pano e rendas, 
de bois, jumentos e éguas. 
cada passo eu piso léguas 
da fazenda que há em mim.” 
 
(trato) 
 
(romério rômulo, “bené para flauta e murilo”, 1996)
 
 
 

2. o meu interesse agudo nas artes plásticas 
 
as artes plásticas sempre me tocaram de forma especial. isto só fez crescer a partir da minha 
convivência em tempo integral com o meu camarada, amigo, irmão, carlos scliar. o cotidiano 
tomado de telas, objetos, gravuras, desenhos, histórias, biografias, discussões, me movimentou  
forte neste caminho da arte. eu tive nele um mestre permanentemente disposto a contribuir, 
esclarecer, questionar. me fortaleci. 
daí o falar, na poesia, das artes plásticas e dos artistas, cresceu. sobre o scliar e o seu trabalho, 
me manifestei várias vezes. sintetizado: 
 
scliar, carlos 
 
“suspira objeto endiabrado, 
natureza desmontada. 
cada traço remonta. 
 
de muito, faz desassombros na tela.” 
 
(romério rômulo, “bené para flauta e murilo”, 1990)
 
 
uma breve palavra sobre o amigo desafiador.
 
 

3. picasso, o galo bélico 
 
nesta conversa, picasso é uma obrigação. vejo um galo desenhado por ele em 1938. 
agudo como todos os galos e mais agudo por ser de picasso. daí sai o 
“galo bélico, picasso, 38”. 
 
“agudo ângulo, reteso, o galo vinca 
a noite que desnuda no pescoço. 
um galo válido, picasso, 38, 
quadrimestria, no cubo, quintessência. 
fala reta, de galo, quase reto 
como se outro galo não possível. 
 
um galo amplo, falado como espera 
de outra tão manhã, picassiana.” 
 
(romério rômulo, “tempo quando”, 1996) 
 
afinal, o poema é plástico. vou dizer das artes e dos artistas através dele.
 
 

4. uma sequência obrigatória: “a tua noite é vesga, a tua ânsia é água” 
 
alguns gritos, de vária dimensão, aparecem. o ovo é a origem. 
 
”o ovo é um riso e afago da manhã. 
seu branco é texto da pele de um dente 
que quebrado traz podre, enxofre, galo. 
se um picasso sabe, ele o transforma ovo. 
 
picasso, cúbico, do ovo, mondrian 
fazido cores puras, geometria rouca 
de levar tapa de cérebro escarlate 
com tanta vida a defender de traços. 
 
se ovo fui, quieto arregacei 
umas manhãs-kandinsky, voluptuosas 
de cor. talvez uma quirera 
se benfazeja seja faça-se roault.” 
 
(romério rômulo, “matéria bruta”, 2006)
 
 

5. munch: a angústia desmonta 
 
no fundo impacto do expressionismo, munch delimita. não há como passar ileso 
por ele. a amargura do personagem/ser na ponte, o torcido do corpo e da boca, 
as linhas gerais da imagem, as cores que submetem o meu olho, levam a que eu me manifeste. 
o grito me caça. aquele ente vedado, puro grito e ânsia, é o que sobra em palavra. 
 
“intensos tão meandros destes traços 
que num itálico do grito a fala sente 
o homem ser só grito, sem mais homem.”
 
 

Romério Rômulo (Ouro Preto/MG). Nasceu em Felixlândia, MG. Professor de Economia Política da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) e um dos fundadores do Instituto Cultural Carlos Scliar (Ouro Preto, MG). Prefaciou a primeira edição assinada das poesias eróticas de Bernardo Guimarães, O Elixir do Pajé (Edições Du bolso, Sabará, MG, 1988), mais de 100 anos depois da edição original. Até então todas eram clandestinas. Publicou vários livros de poesia, entre eles Bené para Flauta e Murilo (1990), caixa Tempo Quando (4 livros em 2 volumes, 1996), Matéria Bruta (Editora Altana, São Paulo, SP, 2006) e per augusto & machina (Editora Altana, São Paulo, SP, 2009). romerioromulo@hotmail.com 

 

Anúncios

Entry filed under: Uncategorized.

manuelzão e romério rómulo Romério Rômulo e a sagração do sertanejo urbano

11 Comentários Add your own

  • 1. ana  |  17 abril, 2010 às 6:11 pm

    Só posso dizer:
    que bom que o encontrei neste mundo virtual!
    Parabéns, pois bem o merece!
    bj

    Responder
  • 2. Mirse Maria  |  17 abril, 2010 às 8:56 pm

    Sobre “O GRITO” – o corpo deixa de ser corpo e é só voz [maravilhoso] acho que é isso que todos sentem ao ver a obra de Munch..
    Ser fazendeiro, é inerente ao ser humano. É na terra, no arado, na observação da natureza que o homem entende melhor a arte.

    O galo bélico de Picasso, o ovo, remetu-me à perfeição de João Cabral. Talvez pela referência dos mesmos, sendo que seus poemas diferem de forma singular.

    Por fim, realmente, não há como passar ileso por Munch. Ele toca o interior da alma.

    Belíssimo, Romério!

    Parabéns!

    Beijos

    Mirse

    Responder
  • 3. BIANCA  |  18 abril, 2010 às 11:24 am

    FAZ TEMPO QUE VENHO AQUI LER-TE E QUANTO TENTO DEIXAR UM COMENTÁRIO NUNCA CONCLUI.

    VOU TENTAR PELA MILÉSIMA VEZ….

    B.E.I.J.O.S

    P.S: DEDOS CRUZADOS PARA QUE DÊ TUDO CERTO!

    Responder
  • 4. lágrima  |  18 abril, 2010 às 6:36 pm

    surpresa absoluta, de tão surpresa é quase brutal.
    É tão brutal quanto o meu estremecimento sempre que me encontro frente a frente com esse “Grito” de Munch que até me assusta e me dá vontade de fugir. Sempre, sempre foi assim, parece uma cobardia, não?!

    Este teu espaço é totalmente fora do comum, devo dizer-te que me sinto priveligiada pelo simulado convite. Não é matéria fácil…!

    Voltarei de cabeça fria (porque ela esquentou quando aqui cheguei…)!

    Obrigada RRomulo. Até já!

    Responder
  • 5. Lara  |  18 abril, 2010 às 9:56 pm

    Munch mexe muito comigo, na verdade, ele só não mexe com quem não o olhar, é pura expressão. Seu poema tbm tocou fundo.

    Abraços!

    Responder
  • 6. Verluci Almeida  |  18 abril, 2010 às 11:56 pm

    Simplesmente maravilhoso!
    Adorei este verso:
    ‘o homem ser só grito, sem mais homem.’

    Ganhastes mais uma fã!

    Uma semana alegre e feliz pra vc!

    Responder
  • 7. Roberta  |  20 abril, 2010 às 11:33 am

    agora sempre que eu me deparar com o grito do munch me lembrarei do grito do romério.

    Responder
  • 8. α∂riαηα costα  |  21 abril, 2010 às 6:00 pm

    Sensíveis e belos poemas, poeta. É um prazer imenso conhecer um pouco de tua obra.
    Abraços,
    Adriana

    PS.: Estive duas vezes em Ouro Preto (nem consigo descrever a emoção da primeira vez em que estive ali). Amo esta cidade, embora a conheça muito pouco. Os turistas costumam dizer que conhecem tal e tal cidade quando na verdade só estiveram lá, para conhecer uma cidade de verdade temos que viver, pelo menos, um pouquinho do seu cotidiano.

    Responder
  • 9. Janaina Amado  |  22 abril, 2010 às 6:46 pm

    Romério, gostei tanto de ler suas divagações e sentimentos em torno do seu poema “O grito”, tão forte quanto a tela a que se reporta. Poetas não gostam muito de fazer isso (analisar a própria produção), mas eu gosto desses textos, acho-os reveladores.
    Saudade de você. Depois do último livro, ficou metidíssimo, todo se achando, não mais me visitou. 🙂

    Responder
  • 10. assis freitas  |  23 abril, 2010 às 9:51 pm

    O grito ecoa surdamente em nossos olhos, e em alguns seres, como poetas e passarinhos. faz coro em canto e versos. abraço

    Responder
  • 11. Evandro  |  25 abril, 2010 às 12:27 am

    Oi, Rômulo.
    Você me visitou dia desses, nem agradeci, porque estava sem tempo. Obrigado.

    estava te lendo um pouco, boa sensibilidade. gostei.
    troquemos algumas idéias, sobre poesia e coisas afins?

    abraços.
    um dia publico no germina!!!

    o grito pode ser, também, o próprio corpo destituído de limites.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Feeds

abril 2010
S T Q Q S S D
« mar   maio »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

RSS Fênix em Verso e Prosa

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

%d blogueiros gostam disto: