noite e ruptura

9 fevereiro, 2010 at 11:36 am 11 comentários

a noite trêfega, dura, me apavora.
meu sono é manhã adjacente.
são osso minha clave de delírio,
meu corpo marginal, incendiado.

falo noite e ruptura, quero andrajos
de palavras que quietem a voz
do vento apregoado do deserto
de uma voz que, outra, me apavora.

(noite e ruptura)

[Per Augusto & Machina]

Anúncios

Entry filed under: Uncategorized.

merda no teu pelo quando a noite ramifica

11 Comentários Add your own

  • 1. nina rizzi  |  9 fevereiro, 2010 às 6:20 pm

    minha noite é uma conexão.
    e
    a madrugada que é intervalo.
    p
    a
    v
    o
    r
    a
    .

    beijos, romério rômulo (esse nome, dito assim, soa bem garboso.. rsrsrs nome de poeta, né.)

    Responder
  • 2. Ana  |  9 fevereiro, 2010 às 6:51 pm

    Gosto do ritmo e das assonâncias do poema.
    bj

    Responder
    • 3. Adriana Godoy  |  10 fevereiro, 2010 às 10:11 am

      A noite apavora e encanta. Lindo poema, Romério. beijo.

  • 4. decio bettencourt  |  10 fevereiro, 2010 às 9:54 am

    Harmonia!

    Responder
  • 5. Pimenta  |  10 fevereiro, 2010 às 7:07 pm

    bom texto!

    abraço!

    Responder
  • 6. Natália Nunes  |  11 fevereiro, 2010 às 12:52 am

    eu que tenho sido um bicho muito noturno, vibrei, dermicamente com essas palavras.

    ótimo!

    Responder
  • 7. Janaina Amado  |  11 fevereiro, 2010 às 5:12 pm

    Maravilhoso.

    Responder
  • 8. assis freitas  |  13 fevereiro, 2010 às 4:06 pm

    Trafegando por estes versos, trôpego, mas incendiado. Abraço.

    Responder
  • 9. Francisco Sobreira  |  14 fevereiro, 2010 às 10:03 am

    Obrigado, Romério, pela sua visita. Um abraço e um bom carnaval (se você for de carnaval).

    Responder
  • 10. Adélia Carvalho  |  15 fevereiro, 2010 às 12:15 pm

    Conheço um tanto dessas noites que apavoram. A vida que transborda dos seus poemas é de uma intensidade encantadora. Abraços.

    Responder
  • 11. adriano nunes  |  16 fevereiro, 2010 às 9:54 pm

    Romério,

    Lindo! A noite também ( de pavor ) me devora!

    Grande abraço,
    Adriano Nunes.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Feeds

fevereiro 2010
S T Q Q S S D
« jan   mar »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728

RSS Fênix em Verso e Prosa

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

%d blogueiros gostam disto: