ventania

28 fevereiro, 2009 at 8:38 pm 66 comentários

patrícia tem a voz enovelada
baixa, baixo profundo, adjacente.

patrícia tem a voz de madrugada.

Anúncios

Entry filed under: Matéria Bruta.

tempo pura pedra

66 Comentários Add your own

  • 1. Moacy Cirne  |  28 fevereiro, 2009 às 10:44 pm

    Belobelo, cara. E fico a imaginar:
    a voz da madrugada deve ter uma quentura capaz de espantar qualquer cruviana.

    Um abraço.

    Resposta
  • 2. líria porto  |  1 março, 2009 às 6:27 am

    grande tacada, romério! gostei!

    Resposta
  • 3. Mário Mendonça  |  1 março, 2009 às 11:53 am

    Grande Guerreiro

    ” e aveludada ” , com fio de meada…

    Atração diabólica, endorfinatica……..

    Abraços.

    Resposta
  • 4. meg  |  1 março, 2009 às 7:22 pm

    Romério,

    Concordo com o Moacy…

    E hoje vim para te dizer que espero estar de volta nos próximos dias,
    Até lá, deixo-te um beijo

    meg

    Resposta
  • 5. Martha  |  1 março, 2009 às 7:39 pm

    que bonitos…o poema e a voz de Patricia.

    Resposta
  • 6. Romério Rômulo  |  2 março, 2009 às 8:17 am

    belobelo,moacy.
    estou no rio.
    um abraço.
    romério

    Resposta
  • 7. Romério Rômulo  |  2 março, 2009 às 8:18 am

    líria:
    muito obrigado.
    romério

    Resposta
  • 8. Romério Rômulo  |  2 março, 2009 às 8:19 am

    mário:
    obrigado pela presença.
    um abraço.
    romério

    Resposta
  • 9. Romério Rômulo  |  2 março, 2009 às 8:20 am

    meg:
    todos estamos à sua espera.
    um beijo.
    romério

    Resposta
  • 10. Romério Rômulo  |  2 março, 2009 às 8:21 am

    martha:
    o autor e a voz agradecem.
    romério

    Resposta
  • 11. Adrianna Coelho  |  2 março, 2009 às 8:47 am

    oi, romério!

    voz de madrugada e nome de quem pertence: patrícia!

    lindo isso!

    voltei, viu. 🙂

    beijos

    Resposta
  • 12. Graça Pires  |  2 março, 2009 às 1:47 pm

    Ter a voz da madrugada e ser como o vento… Muito belo.
    Beijos.

    Resposta
  • 13. Romério Rômulo  |  2 março, 2009 às 4:27 pm

    adrianna:
    patrícia e voz de madrugada são válidos.
    um beijo.
    romério

    Resposta
  • 14. Romério Rômulo  |  2 março, 2009 às 4:29 pm

    graça pires:
    voz de madrugada e ventania combinam.
    um beijo.
    romério

    Resposta
  • 15. Janaina Amado  |  2 março, 2009 às 7:14 pm

    Ah, Patrícia!
    Abração, Romério – belo poema.

    Resposta
  • 16. Pe.Gilberto  |  2 março, 2009 às 7:14 pm

    parabéns pela sensibilidade poética…

    Resposta
  • 17. Cris Animal  |  2 março, 2009 às 7:56 pm

    Recebi há algum tempo sua visita em meu blog, mas aconteceram tantas coisas…..rs…..esse tempo maluco e só hoje estou vindo retribuir a visita, agardecer e dizer que estou linkando vc ao blog que fico presente todos os dias. mais fácil para seguir seus rastros…..rs
    Obrigada !
    beijo
    …………………Cris Animal

    Resposta
  • 18. Luis Henrique  |  3 março, 2009 às 1:01 am

    ( com sua permissão)

    Respota à voz da madrugada

    O dia foi hostil
    a madrugada deixou o vunerável
    como pardal molhado
    a voz da mulher,
    que pariu e criou
    todos os homens
    disse palavra,
    as mais coloquiais.
    Foi arremessado
    para a madrugada
    mais profunda
    por dentro e por fora!
    é a lembra da enternidade
    que ainda guarda no
    bolso
    o de mais fácil acesso.
    Enfim:
    a doçura existia,
    tanto quanto
    as truculências diárias.

    Resposta
  • 19. Luis Henrique  |  3 março, 2009 às 1:13 am

    Poema comentário
    (com sua permissão, este devidamente corrigido)
    Resposta à voz da madrugada (ventania)

    O dia foi hostil
    a madrugada deixou o vulnerável
    como pardal molhado
    A voz da mulher,
    que pariu e criou
    todos os homens,
    disse palavras,
    as mais coloquiais.
    Foi arremessado
    para a madrugada
    mais profunda
    por dentro e por fora!
    é a lembrança da eternidade,
    que experimentou em vida
    que guarda no bolso,
    o de mais fácil acesso.
    Enfim: a doçura existia,
    tanto quanto
    as truculências diárias.

    Resposta
  • 20. xico santos  |  3 março, 2009 às 9:04 am

    E nos olhos a suavidade do mar
    em suas noites quentes,
    escolhidas com dedos em luz,
    pra ser berço…

    Ventania
    (domada no recato)
    Atravessando cordilheiras…

    pra ir brincar de esconde-esconde nos cabelos do poeta.

    Resposta
  • 21. Ana  |  3 março, 2009 às 1:52 pm

    Muito belo!
    Bj

    Resposta
  • 22. nina rizzi  |  3 março, 2009 às 2:58 pm

    nossa, que coisa mais linda… já me apropriei!…

    Resposta
  • 23. Romério Rômulo  |  3 março, 2009 às 4:19 pm

    janaína:
    a patrícia não se abala.obrigado.
    romério

    Resposta
  • 24. Romério Rômulo  |  3 março, 2009 às 4:20 pm

    pe. gilberto:
    obrigado e apareça mais.
    romério

    Resposta
  • 25. Romério Rômulo  |  3 março, 2009 às 4:22 pm

    cris animal:
    agradeço a presença e o link.
    um beijo.
    romério

    Resposta
  • 26. Romério Rômulo  |  3 março, 2009 às 4:24 pm

    luis henrique:
    obrigado pelo(s) poema(s).
    um abraço.
    romério

    Resposta
  • 27. Romério Rômulo  |  3 março, 2009 às 4:25 pm

    xico santos:
    e você é poeta!
    um grande abraço.
    romério

    Resposta
  • 28. Romério Rômulo  |  3 março, 2009 às 4:28 pm

    ana:
    muito obrigado.
    um beijo.
    romério

    Resposta
  • 29. Romério Rômulo  |  3 março, 2009 às 4:29 pm

    nina:
    se você se apropriou,está apropriado.
    romério

    Resposta
  • 30. Laura  |  5 março, 2009 às 3:06 pm

    romério, eu estive aqui na pressa outro dia, li, voltei- não deixei nada.
    Hj, sem pressa, deu vontade de dizer que o que faz é bonito.
    Um homem sensível e generoso é sempre bom conhecer.
    Um abraço, Laura

    Resposta
  • 31. Romério Rômulo  |  5 março, 2009 às 4:04 pm

    laura:
    agradeço os seus comentários.
    um abraço.
    romério

    Resposta
  • 32. Pedro S. Martins  |  9 março, 2009 às 1:41 pm

    Patrícia é a madrugada. A sua chegada.

    Resposta
  • 33. Gisela Rosa  |  9 março, 2009 às 7:26 pm

    que ventania maravilhosa…

    Resposta
  • 34. Romério Rômulo  |  10 março, 2009 às 8:37 am

    pedro martins:
    é pura madrugada.
    romério

    Resposta
  • 35. Romério Rômulo  |  10 março, 2009 às 8:38 am

    gisela:
    a ventania agradece.
    romério

    Resposta
  • 36. Betty  |  10 março, 2009 às 2:56 pm

    .________querido Romério

    a “nobreza” da[s] palavra[s]

    _______escrita no tempo

    beijO_____ternO

    Resposta
  • 37. Romério Rômulo  |  10 março, 2009 às 3:04 pm

    a palavra é sua,betty.
    um beijo.
    romério

    Resposta
  • 38. Val Freitas  |  10 março, 2009 às 10:56 pm

    imenso prazer em “te” achar. ou ser encontrada. tnato faz se o efeito é este aqui.
    perfeito no que li. entendo como sente. sei que gente assim, sempre transborda. obrigado pela visita lá no canto em curvas, Romerio. que não seja apenas esta. 🙂 ainda encontrei o Cirne….nossa gente boa e querida, “das antiga” do mundo dos blogs. 🙂 até mais ler.

    Resposta
  • 39. Val Freitas  |  10 março, 2009 às 10:57 pm

    imenso prazer em “te” achar. ou ser encontrada. tanto faz se o efeito é este aqui.
    perfeito no que li. entendo como sente. sei que gente assim, sempre transborda. obrigado pela visita lá no canto em curvas, Romerio. que não seja apenas esta. 🙂 ainda encontrei o Cirne….nossa gente boa e querida, “das antiga” do mundo dos blogs. 🙂 até mais ler.

    Resposta
  • 40. Romério Rômulo  |  10 março, 2009 às 11:50 pm

    val:
    estarei por lá.o moacy é um grande companheiro.
    romério

    Resposta
  • 41. leila andrade  |  11 março, 2009 às 12:22 pm

    Pomério,
    Aqui e em você
    sempre ventania.

    Não parei, não, apenas lentidão.

    Bjo

    Resposta
  • 42. Romério Rômulo  |  11 março, 2009 às 12:29 pm

    leila:
    a ventania,braba.
    um beijo.
    romério

    Resposta
  • 43. meg  |  11 março, 2009 às 6:10 pm

    Romério,
    Nos desencontramos nos espaços e nas horas.
    Será que a ventania te levou?

    Beijo
    meg

    Resposta
  • 44. Romério Rômulo  |  11 março, 2009 às 7:05 pm

    meg:
    há ventania,mas estou de pé.ainda.
    um beijo.
    romério

    Resposta
  • 45. mariza lourenço  |  11 março, 2009 às 7:18 pm

    adorei, Romério.

    perdoa o sumiço, mas tive problemas.
    agora, tudo sob controle.
    beijo grande.

    Resposta
  • 46. Romério Rômulo  |  11 março, 2009 às 7:42 pm

    mariza:
    tudo sob controle?muito bom.
    um beijo.
    romério

    Resposta
  • 47. Adriana  |  14 março, 2009 às 3:28 pm

    Romário, quem é Patrícia que à noite canta assim delicado?
    muito bom!

    Resposta
  • 48. Romério Rômulo  |  14 março, 2009 às 5:10 pm

    adriana:
    a patrícia não canta assim à noite.ela canta assim.
    obrigado.
    romério

    Resposta
  • 49. Bianca  |  15 março, 2009 às 7:49 pm

    Oi, Romério!

    Vozes na madrugada…

    Muito obrigada por suas sempre bem-vindas visitas!

    B.E.I.J.Ã.O

    Resposta
  • 50. Romério Rômulo  |  15 março, 2009 às 10:24 pm

    bianca:
    a madrugada tem muitas vozes.
    um beijo.
    romério

    Resposta
  • 51. nina rizzi  |  18 março, 2009 às 5:53 pm

    cadê vc, macho?
    saudades “ô meu”!

    Resposta
  • 52. Romério Rômulo  |  18 março, 2009 às 7:41 pm

    nina:
    estou aqui.
    romério

    Resposta
  • 53. meg  |  20 março, 2009 às 10:33 am

    Romério,

    Vou passando e tentanto saber de ti.
    Grande ausência… até no twitter. desse vou sair, não faz “a minha praia”
    espero que esteja tudo bem contigo.

    Um beijo

    Resposta
  • 54. adelaide  |  20 março, 2009 às 1:10 pm

    Que belo, Romério!
    Muito bem-dito.
    Abração.

    Resposta
  • 55. Beta  |  21 março, 2009 às 11:45 am

    Gosto da potência, efeito catalizador de versos sutis como esses, sustentados por entrelinhas, sugestões, sujeições. Belíssimo. Grata pela visita, mais pelo lirismo aqui encontrado. Beijos,

    Resposta
  • 56. Beta  |  21 março, 2009 às 2:44 pm

    Retorno, porque a leitura do poema “tempo” tornou irresistível a vontade de, comentando uma segunda vez, usar um lugar-comum como “belíssimo!” – desprovido de originalidade mas muito genuíno – e para o bem da boa ortografia, ofendida em meu comentário: lê-se catalisador, por obséquio! 🙂

    Resposta
  • 57. Romério Rômulo  |  21 março, 2009 às 4:13 pm

    meg:
    estamos desencontrados.breve nos acharemos.
    um beijo.
    romério

    Resposta
  • 58. Romério Rômulo  |  21 março, 2009 às 4:19 pm

    obrigado,adelaide.
    um abraço.
    romério

    Resposta
  • 59. Romério Rômulo  |  21 março, 2009 às 4:22 pm

    beta:
    obrigado pelas suas avaliações.e a boa ortografia certamente não se ofende com você.
    um beijo.
    romério

    Resposta
  • 60. Janaina Amado  |  22 março, 2009 às 7:44 am

    Poeta,
    Vim aqui neste início de domingo pra lhe dizer que tenho sentido saudade de sua poesia. Por que anda tão quietinho, tão silencioso? Espero novos e lindos poemas seus. Abraço!

    Resposta
  • 61. Mário Mendonça  |  22 março, 2009 às 10:28 am

    Grande Guerreiro

    Complemento:

    Ventania de veludo,
    castro, fio de meada,
    diabólica endorfina,
    extasiada nesta pagina.

    Fui, apagar………

    Abração.

    Resposta
  • 62. Romério Rômulo  |  22 março, 2009 às 12:58 pm

    janaína:
    a quietude é aparência.deve sair um novo livro,”per augusto &
    machina”,brevemente.também pela editora altana,de são paulo.
    do nosso amigo xico santos.
    um abraço.
    romério

    Resposta
  • 63. Romério Rômulo  |  22 março, 2009 às 12:59 pm

    apagar,mário?ficou muito bem.
    um grande abraço.
    romério

    Resposta
  • 64. Sandra Leite  |  29 março, 2009 às 4:26 pm

    Romério, que lindo! Amigos do Moacy são meus amigos!

    Sou apaixonada pelo vento, pela madrugada, estrelas e lua. Eu conheço a voz da marugada e ela é linda! Você me lembrou um poema do Quintana:

    QUE O VENTO NÃO LEVOU

    Mário Quintana

    No fim tu hás de ver que as coisas mais leves são as

    [únicas

    que o vento não conseguiu levar:

    um estribilho antigo,

    um carinho no momento preciso,

    o folhear de um livro,

    o cheiro que tinha o próprio vento

    bjos

    Resposta
    • 65. Romério Rômulo  |  29 março, 2009 às 4:36 pm

      sandra,amiga do amigo do vento:
      gostei desta chegada.o moacy é o padrinho.
      obrigado pelo quintana.
      um beijo.
      romério

  • 66. Bea - Compulsão Diária  |  4 maio, 2009 às 9:06 am

    Segui a indicação da Adrianna Coelho e encontrei esta primorosa escuta. Essa voz dever ser mais aveludada qdo sabe que é madrugada.
    Gostei e , aos poucos, vou me inteirando de tanta criatividade que, numa primeira mirada, deu pra perceber.
    abraço

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Feeds

fevereiro 2009
S T Q Q S S D
« jan   mar »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
232425262728  

RSS Fênix em Verso e Prosa

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

%d blogueiros gostam disto: