poeta e noite

15 fevereiro, 2009 at 6:27 pm 30 comentários

fênix:
a partir das insônias, fiz.

poetas são malditos e no espanto
de revelar limites se martelam.
há um poeta assim, em cada canto,
no redemunho do espanto que revelam.

poetas são em pétalas, cruéis
com tintas destiladas pela mão.
os dedos se arrebentam em pincéis
drogados pela cor da solidão.

tão bêbados de tudo, estes poetas
de ansiedade e insônia vão tomados.
ao percorrer as noites pelas frestas
poetas são destroços renegados.

Anúncios

Entry filed under: Avulsos, Inéditos.

por joão cabral a pantera

30 Comentários Add your own

  • 1. Moacy Cirne  |  15 fevereiro, 2009 às 6:43 pm

    o rigor de sempre, a poesia de sempre:
    brilho e fulgor.
    lá fora, marchinhas antigas
    começam a embalar o carnaval do rio,
    pois os poetas e os bêbados
    serão malditos até o final dos tempos.

    abraços.

    Responder
  • 2. Janaina Amado  |  15 fevereiro, 2009 às 7:47 pm

    E não é que a insônia rendeu também este poema! Destroços renegados? Alvoroços abençoados!

    Responder
  • 3. Romério Rômulo  |  15 fevereiro, 2009 às 9:55 pm

    é isso,moacy.
    um grande abraço.
    romério

    Responder
  • 4. Romério Rômulo  |  15 fevereiro, 2009 às 9:57 pm

    janaína:
    a insônia é da renata.eu só não durmo à noite.sou
    bacurau.
    romério

    Responder
  • 5. Hercília Fernandes  |  15 fevereiro, 2009 às 11:14 pm

    Belíssimo poema, Romério.

    E, a síntese, nos versos finais, diz tudo e um pouco mais:

    “ao percorrer as noites pelas frestas
    poetas são destroços renegados”.

    Forte abraço,

    H.F.

    Responder
  • 6. Dimas Roque  |  16 fevereiro, 2009 às 3:46 am

    Vim retribuir a sua visita ao meu Blog. Parabéns pelo seu belo trabalho.

    Responder
  • 7. adrianonunes  |  16 fevereiro, 2009 às 9:06 am

    Romério,

    Belíssimo!! Bravo!
    Desculpe a demora em vir aqui…as férias estão tomando meu tempo, mas leio os poemas sempre!

    Abraço forte!
    Adriano Nunes.

    Responder
  • 8. Romério Rômulo  |  16 fevereiro, 2009 às 10:09 am

    hercília:
    nada como o espanto na arte.é necessária a surpresa,como diz o niemeyer.
    um abraço.
    romério

    Responder
  • 9. Romério Rômulo  |  16 fevereiro, 2009 às 10:10 am

    dimas:
    apareça mais.
    um grande abraço.
    romério

    Responder
  • 10. Romério Rômulo  |  16 fevereiro, 2009 às 10:13 am

    adriano:
    por vezes percebo suas passagens aqui.e te acompanho.
    um abraço fraternal.
    romério

    Responder
  • 11. nina rizzi  |  16 fevereiro, 2009 às 10:36 am

    e há que ser bêbedo sempre “nao importa se e vinho, poesia ou virtude”. eu prefiro o vinho e a poesia. vc a faz 🙂

    Responder
  • 12. Ana Luisa Kaminski  |  16 fevereiro, 2009 às 11:45 am

    Poetas são almas aladas, apaixonadas e inquietas… desejantes! Abraço azul, meu caro.

    Responder
  • 13. Romério Rômulo  |  16 fevereiro, 2009 às 11:58 am

    nina:
    sejamos,então.
    romério

    Responder
  • 14. Romério Rômulo  |  16 fevereiro, 2009 às 12:02 pm

    analuka:
    “sou belo,rumoroso,azul e noite.”na germina literatura,link aqui
    ( RR na germina literatura),está o poema completo.
    um abraço também azul.
    romério

    Responder
  • 15. berenice  |  16 fevereiro, 2009 às 2:58 pm

    pensei que demoraria a me ver tocada (chocada) novamente com este tema. “a estranha essência do poeta” ainda troveja em mim.

    Responder
  • 16. Romério Rômulo  |  16 fevereiro, 2009 às 4:44 pm

    berenice:
    esses trovões permanecem.ando atrás deles.
    romério

    Responder
  • 17. berenice  |  16 fevereiro, 2009 às 5:05 pm

    romério,
    queria te linkar, além disso te postar. mas agora a dúvida, a essência ou esse… talvez os dois, pode ser?

    Responder
  • 18. Romério Rômulo  |  16 fevereiro, 2009 às 5:10 pm

    berenice:
    o que você fizer está bem.
    obrigado.
    romério

    Responder
  • 19. CRIS LIMA  |  16 fevereiro, 2009 às 8:16 pm

    poetas são malditos e no espanto
    de revelar limites se martelam.
    LIDO A PRIMEIRA FRASE…CALO-ME DIANTE TAL REALIDADE!
    BJS E AFETO…SEMPRE
    CRIS LIMA

    Responder
  • 20. Betty  |  16 fevereiro, 2009 às 8:19 pm

    ._______querido Romério

    escrevo

    a sangue em negro papel

    .sentir de vidente

    ________ou apenas frofecias

    semeio-me.a.mim.mesma

    abrindo sulcos_____na noite

    com espadas de metal-azul______…

    _________///

    todo o meu carinho

    num

    beijO____ternO
    bSemana

    Responder
  • 21. Romério Rômulo  |  16 fevereiro, 2009 às 8:24 pm

    cris lima:
    meu carinho pra você.
    romério

    Responder
  • 22. Romério Rômulo  |  16 fevereiro, 2009 às 8:27 pm

    obrigado pelo seu poema,betty.e pelas suas páginas.
    um beijo.
    romério

    Responder
  • 23. Graça Pires  |  17 fevereiro, 2009 às 12:07 pm

    A noite é sempre um lugar de sobrevivência do poeta: renegado ou não…
    Um abraço.

    Responder
  • 24. Romério Rômulo  |  17 fevereiro, 2009 às 6:58 pm

    graça:
    a noite é um mistério solto.
    um abraço.
    romério

    Responder
  • 25. Nydia  |  19 fevereiro, 2009 às 12:24 am

    Assim os poetas, Romério. Assim as noites dos poetas.
    beijo
    Nydia

    Responder
  • 26. Romério Rômulo  |  19 fevereiro, 2009 às 12:38 am

    nydia:
    noites e poetas são fraternos.
    um beijo.
    romério

    Responder
  • 27. Bianca  |  21 fevereiro, 2009 às 12:05 am

    Oi Romério

    Perdoe-me a demora em aparecer.
    Meu muito obrigada pelas visitinhas e pelos recados lá no blog. Minha “casa” está aberta pra ti e apareça sempre que puder.
    E eu li teus recadinhos no blog do Luís, viu? Uma graça.
    Teu blog é incrível!
    Que talento tens, né rapaz?

    B.E.I.J.O

    Bianca

    Responder
  • 28. Romério Rômulo  |  21 fevereiro, 2009 às 9:54 am

    bianca:
    você não se atrasa.
    obrigado pelas palavras e pela atenção.o seu blog,além de você,
    contém riquezas.
    um beijo.
    romério

    Responder
  • 29. Elaine Siderlí  |  22 fevereiro, 2009 às 10:04 am

    Que bela insônia!
    Adorei estar por aqui, não o conhecia, doce lugar,forte poesia e insônia positiva!

    bjus.

    Elaine Siderlí.

    Responder
  • 30. Romério Rômulo  |  22 fevereiro, 2009 às 10:30 am

    elaine:
    bom que a insônia foi positiva.
    um beijo.
    romério

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Feeds

fevereiro 2009
S T Q Q S S D
« jan   mar »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
232425262728  

RSS Fênix em Verso e Prosa

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

%d blogueiros gostam disto: