rasos, 2

31 janeiro, 2009 at 12:41 am 19 comentários

1.
é-lhe, desmedido.como que o cru
dos cantos. em ponta, sumidouros. suor lhe
faz a testa. um raio cerca margens. as
costas, um objeto do mundo. sempre em
caminho. trilhos lhes sobre. o rubi
do olho ferve. rútilo. sempres é um tempo
forjado. cada, no olho, tempo. mais que
por sobre, saber.
vido no riso da luz.

2.
caçava manhã como fôra outra. inda des-
vanecia tempos. um trôpego de borboleta
farfala. cisco de vento. regaço de dente faz
riso. uma alma leve no candorado da noite.

3.
tinha aspas na vida e no tempo. um
dobro lhe falava.

4.
menina marta não recasa. colo segura,
passarinho solta. ontem que revive
é halo de fruta. outros mais que ontem.
sabidências.

5.
perfil dalata. corre a manga.

6.
som de caminho reto.

Anúncios

Entry filed under: Tempo Quando. Tags: , .

rasos, 1 a cumiada do olho

19 Comentários Add your own

  • 1. Moacy Cirne  |  31 janeiro, 2009 às 1:38 am

    Caçador de manhãs e poemas definitivos, ou quase, eis Romério, o Poeta; eis Rômulo, o Caminhante. Com régua e compasso: som de caminho. Sabidências roseanas, sabidências cabralinhas – mais do que cabralinas. Eis, aqui, o Poema: seus rasos, suas alturas.

    Um abraço.

    Responder
  • 2. Romério Rômulo  |  31 janeiro, 2009 às 10:25 am

    caçar poemas definitivos é um duelo,moacy.as manhãs se expõem.
    um abraço.romério

    Responder
  • 3. Bipede-Implume  |  31 janeiro, 2009 às 10:32 pm

    ´Poesia vibrante de pluralidades de sentidos.
    Um descoberta infinita.
    Um abraço.
    Isabel

    Responder
  • 4. Romério Rômulo  |  1 fevereiro, 2009 às 10:37 am

    isabel:
    essas invenções verbais são isso.
    um abraço.
    romério

    Responder
  • 5. meg  |  1 fevereiro, 2009 às 12:56 pm

    Romério,
    Embora ausente, tenho passeado (pelo celular) por TODOS os teus poemas.
    Momentos de beleza e de inquietação sempre presentes nas tuas palavras.
    Espero voltar em breve, logo que tiver net em casa, o que não acontece ainda neste momento.

    Um beijo

    meg

    Responder
  • 6. mariza lourenço  |  1 fevereiro, 2009 às 1:27 pm

    pra você ver, Romério, além da Germina, das minhas visitas ao seu blogue, de suas visitas ao meu, e da minha admiração sincera, o Moacy também nos une. isso não é ótimo?

    quanto ao prêmio que recebi, é imerecido.

    e seus poemas, como sempre, me calam a alma. infelizmente, minhas limitações como comentarista às vezes se transformam em grandes obstáculos ao meu desejo de me expressar com propriedade.

    beijo enorme.

    Responder
  • 7. françois  |  1 fevereiro, 2009 às 9:57 pm

    Romério, me permita ser curto e grosso: eu achei tudo aqui um barato! já entrou pro meu panteão!

    Responder
  • 8. Beti Timm  |  1 fevereiro, 2009 às 11:40 pm

    Rômulo,
    agradecida pela visita.
    Gostei da tua poesia, baseando-me na minha humilde sapiência nas poesias. Acho deveras interessante, um homem poetando, principalmente qdo o faz tão bem como vc. Poesia, instigante, forte que mexe com nosso interior. E delicioso, qdo dizes: “Regaço de dente faz riso”, simples e adequado.

    Beijos

    Responder
  • 9. Romério Rômulo  |  2 fevereiro, 2009 às 9:27 am

    mariza:
    ter o moacy como amigo comum não é coisa pouca.o homem de
    caicó faz e desfaz.
    estaremos juntos.
    um beijo.
    romério

    Responder
  • 10. Romério Rômulo  |  2 fevereiro, 2009 às 9:29 am

    françois:
    ótimo que seja um barato.te mando um grande abraço.
    romério

    Responder
  • 11. Romério Rômulo  |  2 fevereiro, 2009 às 9:31 am

    beti timm:
    obrigado por todas as suas palavras.
    romério

    Responder
  • 12. Hercília Fernandes  |  2 fevereiro, 2009 às 5:07 pm

    Belíssimo, poema!

    Rico em paisagens, ritmo, forma e musicalidade. Além da expressão subjetiva que abre portas para a imaginação do leitor. Muito bom, Romério!

    Desculpe-me ter estado ausente por esses dias é que…

    “ando tanto quanto distraída
    pasmando à sombra de oiticica
    a ponto de vomitar!…”

    Forte abraço, poetíssimo!
    H.F.

    Responder
  • 13. miguel barroso  |  3 fevereiro, 2009 às 3:40 pm

    potentíssimo.

    Abraços d´ASSIMETRIA DO PERFEITO

    Responder
  • 14. Adriana  |  3 fevereiro, 2009 às 8:43 pm

    Poesia de luz que alimenta o inusitado.Surpreendentes imagens que faz associar.Gostei muito, é aprimeira vez que visito esse espaço, mas calou muito.

    Responder
  • 15. Marisco  |  3 fevereiro, 2009 às 9:59 pm

    Romério, obrigado pela visita ao blog Fala Marisco!
    Desejo expressar minha admiração por sua incansável dedicação em nos fazer bem à alma e ao coração.
    Como precisamos sonhar! Não sonhos vãos, mas aqueles que, ainda diante de duras realidades, nos fazem levitar. Você consegue, sem maquiar a verdade, nos mostrar outra realidade que a aspereza do dia-a-dia nos esconde.

    Obrigado por nos abrir os olhos à beleza.

    Um grande abraço.

    Marcos Bittencourt

    Responder
  • 16. Romério Rômulo  |  4 fevereiro, 2009 às 11:36 am

    hercília:
    aqui você não tem que pedir desculpas.obrigado.
    um abraço.
    romério

    Responder
  • 17. Romério Rômulo  |  4 fevereiro, 2009 às 11:37 am

    miguel barroso:
    sou um assimétrico.grande abraço.
    romério

    Responder
  • 18. Romério Rômulo  |  4 fevereiro, 2009 às 11:38 am

    adriana:
    torço por voltas suas.
    romério

    Responder
  • 19. Romério Rômulo  |  4 fevereiro, 2009 às 11:39 am

    marcos,marisco:
    estaremos em contato.um abraço.
    romério

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Feeds

janeiro 2009
S T Q Q S S D
« dez   fev »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

RSS Fênix em Verso e Prosa

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

%d blogueiros gostam disto: