reverso

2 janeiro, 2009 at 7:04 pm 11 comentários

o avesso é tão remédio como a noite
que busca luz num fundo de reveses.
outros seres, metástases do tempo
soluçam abrangentes, nossas vozes.

como se fossem anos, por mais luzes
que os avessos dos corpos se contorcem
rever o templo do homem, retaguarda
dos bichos que retorcem sua boca/

outro é viés de tudo, epicentro
do canto interno, pulso, um outro avesso
que retomado nos diz saber ser outro
se tanta luz lhe faz rever os dias.

 

Anúncios

Entry filed under: Uncategorized.

matéria bruta se de amor

11 Comentários Add your own

  • 1. CRIS LIMA  |  2 janeiro, 2009 às 11:29 pm

    TEUS POEMAS SÃO SEMPRE PRA MIM REMÉDIOS DE NOITES QUE BUSCAM LUZES…

    Responder
  • 2. mariza lourenço  |  3 janeiro, 2009 às 3:01 pm

    Romério querido,

    passo pra lhe deixar um grande beijo por esse belo ‘reverso’ e pelo ano que se inicia. que 2009 lhe seja pródigo, em amor, paz, saúde e felicidade.
    gosto muito de você!

    mariza

    Responder
  • 3. Mário Mendonça  |  3 janeiro, 2009 às 9:02 pm

    Grande Guerreiro das Palavras

    Solidão, sólida infinita, quebra horizonte visual.

    Reverso finito.

    Abraços.

    Responder
  • 4. meg  |  5 janeiro, 2009 às 4:23 pm

    Romério,

    Na teia
    dos teus avessos
    me enleio
    sem receio.

    reversos?

    Beijo
    meg

    Responder
  • 5. Bipede-Implume  |  5 janeiro, 2009 às 10:50 pm

    Os contrários, os opostos, os avessos rodopiando no poema,reverso…re-verso?
    Grande abraço.
    Isabel

    Responder
  • 6. Cheira-me a Revolução!  |  6 janeiro, 2009 às 4:59 pm

    Bom poema amigo.
    Abraços

    Responder
  • 7. Cheira-me a Revolução!  |  6 janeiro, 2009 às 5:45 pm

    TANTO REVERSO AVESSO A REVEZES
    DECLARAM SER DIA DA NOITE EM GUERRA
    COM O TEMPO DO TEMPLO TARDIO
    DA LUZ LANGUIDA CEGA E PERDIDA…
    abraço de duartenovale

    Responder
  • 8. Thomaz Ribeiro  |  6 janeiro, 2009 às 8:32 pm

    Gostei muito de seus poemas. Você demonstra através de seus escritos uma inclinação poética inerente.

    Responder
  • 9. Esther  |  7 janeiro, 2009 às 2:06 pm

    Rômulo,

    Já o conhecia do Verso&Prosa, e fico feliz de tê-lo encontrado na blogosfera!

    parabéns pelo belo espaço

    Responder
  • 10. Márcio Almeida Júnior  |  7 janeiro, 2009 às 9:36 pm

    Romério,
    Agradeço a visita ao meu blog e sua disposição de ler minhas inconfidências de mineiro do interior há pouco desembarcado na web. Não está falando o professor de literatura e sim o leitor: sua poesia tem muitos méritos e merece ser lida com cuidado. E relida. Fico feliz por ter encontrado seu blog. Não deixarei de vir a ele sempre para ler sua produção.

    Responder
  • 11. Vanessa  |  8 janeiro, 2009 às 4:21 pm

    Parabéns pelo pluralismo acadêmico…Definitivamente nem todos são capazes de dar aulas e escrever poesias de maneira satisfatória.
    Bom descanso e um abraço.
    Vanessa

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Feeds

janeiro 2009
S T Q Q S S D
« dez   fev »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

RSS Fênix em Verso e Prosa

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

%d blogueiros gostam disto: