inventor de resto

20 novembro, 2008 at 9:50 pm 2 comentários

“sebastião g. foi cagador de moitas.
alevantino de bandeiras. pavilhão erguido
em clubes, cerca de trem doido. ora foi.
maldade ampla e reticência surda.”

Anúncios

Entry filed under: Tempo Quando. Tags: .

tempo quando (para marco refundir caminhos)

2 Comentários Add your own

  • 1. José Aloise Bahia  |  22 novembro, 2008 às 4:18 pm

    Uai Romério, esse pequeno poema é bem escatológico… “Maldade ampla e reticência surda”: nota 10… Abs do Josealoisebahiabhzmg… PS: por acaso esse Sebastião é o Tião!? Sim, esse mesmo que vc tá pensando…

    Responder
  • 2. Romério Rômulo  |  22 novembro, 2008 às 4:38 pm

    aloise:
    esse poema é do “tempo quando”,publicado em 1996.o tião nunes?
    você é desconfiado.no poema temos o tião g.e o tião se chama
    sebastião geraldo nunes.há motivos na sua desconfiança.
    um abraço.
    romério

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Feeds

novembro 2008
S T Q Q S S D
« out   dez »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

RSS Fênix em Verso e Prosa

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

%d blogueiros gostam disto: