corpos multiplicam o avesso de ausências

27 agosto, 2008 at 9:00 am 14 comentários

as folhas sobram, calam, rangem, cobrem.
mais gargalham se topos reverberam.
corpos dos homens pisam pelos tempos
o seu caminho pálido em ausência.
treliças, mãos, tão mornas, acalantos
provam, sutis, os ritmos da noite
que sabem ser o múltiplo do desejo.

corpos arrebatam tempestades.

Anúncios

Entry filed under: Tempo Quando. Tags: , .

vastidão no corpo domingo

14 Comentários Add your own

  • 1. Hideraldo Montenegro  |  28 agosto, 2008 às 11:18 am

    corpos arrebatam tempestades.

    O poema é lindo demais. Um exemplo estético. Muito bom. Estou lendo, aos poucos, os demais.
    Abraços

    Responder
  • 2. Romério Rômulo  |  28 agosto, 2008 às 11:42 pm

    hideraldo:
    agradeço a sua atenção e o seu comentário.
    um grande abraço.
    romério

    Responder
  • 3. Moacy  |  31 agosto, 2008 às 4:36 am

    Um belo poema, sem dúvida. Enquanto isso, a partir do Recalcitrante, editei o seu Apossado no Balaio. Um abraço.

    Responder
  • 4. Romério Rômulo  |  31 agosto, 2008 às 2:58 pm

    moacy:
    já re-andei pelo “balaio”.lá descobri a poesia do carlos pena filho.
    estamos juntos.
    um grande abraço.
    romério

    Responder
  • 5. Rose de Castro  |  31 agosto, 2008 às 8:11 pm

    (…)provam, sutis, os ritmos da noite
    que sabem ser o múltiplo do desejo.

    corpos arrebatam tempestades.

    Romério, divinooooooooooooooooo

    Beijo!

    Responder
  • 6. Romério Rômulo  |  1 setembro, 2008 às 12:42 am

    rose:
    muito obrigado,sempre.
    um beijo.
    romério

    Responder
  • 7. meg  |  2 setembro, 2008 às 8:27 pm

    Romério,

    treliças, mãos, tão mornas, acalantos
    provam, sutis, os ritmos da noite
    que sabem ser o múltiplo do desejo

    palavras ternas e dolentes que deslizam e
    envolvem a alma como cetins esvoaçantes…

    Um beijo
    meg

    Responder
  • 8. Romério Rômulo  |  3 setembro, 2008 às 12:23 am

    obrigado,meg,mais uma vez.
    um beijo.
    romério

    Responder
  • 9. CRIS LIMA  |  30 setembro, 2008 às 10:22 pm

    NÃO TENHO A MESMA ELOQUÊNCIA DOS DEMAIS QUE AQUI DEIXAM SEUS COMENTÁRIOS,MAS CONTINUO AMANDO SEUS POEMAS…MÃOS MORNAS??NÃO SEI , PREFIRO AS QUENTES OU FRIAS…UM CERTO RADICALISMO DOS CRISTÃOS…OU UMA CERTEZA QUE NA VIDA NADA PODE SER MAIS OU MENOS OU SE É QUENTE OU FRIO!
    BJS
    CRIS

    Responder
  • 10. Romério Rômulo  |  30 setembro, 2008 às 10:36 pm

    cris lima:
    você é tão eloquente que suas letras são maiúsculas.
    um beijo.
    romério

    Responder
  • 11. CRIS LIMA  |  1 outubro, 2008 às 8:51 pm

    AH MEU CARO,ELOQUENTE NÃO,BEM SEI…AS LETRAS MAIÚSCULAS COMBINAM MAIS COM A INTENSIDADE…ESSA SIM,SUPER!
    BJ
    CRIS

    Responder
  • 12. Romério Rômulo  |  1 outubro, 2008 às 10:31 pm

    cris lima:
    que venha a intensidade.
    um beijo.
    romério

    Responder
  • 13. pavitra  |  21 dezembro, 2008 às 10:26 pm

    o avesso das ausências

    corpos arrebatam tempestades
    [a ânsia é arrasadora, intensa, violenta]

    Responder
  • 14. sueli cavendish  |  15 agosto, 2011 às 2:37 am

    Parabéns por esse Matéria Bruta romério, especialmente.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Feeds

agosto 2008
S T Q Q S S D
« jul   set »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

RSS Fênix em Verso e Prosa

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

%d blogueiros gostam disto: