o poema – 2

18 agosto, 2008 at 12:00 pm 2 comentários

o solto, o desastre, o aço preso do corpo,
em pétalas e mãos, estardalhaço.

Anúncios

Entry filed under: Matéria Bruta.

poesia (o corpo pode ausências)

2 Comentários Add your own

  • 1. pavitra  |  14 dezembro, 2008 às 8:31 pm

    parece até que só estou lendo os curtinhos, né? rs
    não é isso… é porque esses que li e comentei alteraram minha percepeção.
    na verdade, qd li, falei aqui pros meus botões um grande palavrão (é, tô dizendo que estes são conturbadores!)
    e vc disse que sou fera!? rsrs
    muito obrigada!

    Responder
  • 2. Romério Rômulo  |  14 dezembro, 2008 às 8:44 pm

    pavitra:
    pode dizer o palavrão?li vários poemas seus:você é
    fera.
    eu é que agradeço.
    romério

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Feeds

agosto 2008
S T Q Q S S D
« jul   set »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

RSS Fênix em Verso e Prosa

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

%d blogueiros gostam disto: