opará

11 julho, 2008 at 12:20 pm 3 comentários

sempre que vou ao recife e vejo seus rios, penso: são os rios do joão cabral. capiberibe, beberibe.

e, de alguma forma, acho graça: o meu rio é maior que os dele.  o são francisco.

em alguma coisa eu quero ganhar do “poeta maior”.

Anúncios

Entry filed under: Avulsos.

o tempo se trabalha por corpos onde a lua faz clarão

3 Comentários Add your own

  • 1. meg  |  11 julho, 2008 às 3:46 pm

    Romério,

    Hoje propões(-me) uma charada
    JCMN na berlinda.
    Não estou atordoada mas ignorante.
    De rios, não de JCMN.

    Beijo
    Meg

    Responder
  • 2. Pedro Lobato P. Moura  |  13 agosto, 2008 às 9:25 pm

    Boa!!!!
    Respostinha:

    Fernando canta a tristeza enorme de Portugal
    E o Tejo
    Ele é um poeta enorme!
    Mas eu pequenino, Brasileiro, posso somar
    à tristeza de Portugal, a da África
    E festejo!

    Responder
  • 3. Romério Rômulo  |  13 agosto, 2008 às 10:03 pm

    bem,pedro:pode-se ganhar pela tristeza.
    um abraço.
    romério

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Feeds

julho 2008
S T Q Q S S D
« jun   ago »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

RSS Fênix em Verso e Prosa

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

%d blogueiros gostam disto: