passagem por scliar e ouro preto

10 junho, 2008 at 12:55 am 2 comentários

verdade mineira de dizer scliar: difícil de tão fácil, relato-me e o
relato: do mineiro que sou ao gaúcho que vê ouro preto de ouro
preto, gaúcho que me descobre a ouro preto que não vi: retilínea
que eu vejo barroca. scliar analisa o tempo íntimo do tempo.
caminho-lhe a fala, de hoje, entrado, leio a palavra na paisagem:
“arme e desarme
a paisagem é outra
e a mesma
e você é o mesmo
e outro.”
armo e desarmo, sou o mesmo e outro. a paisagem: scliar e ouro
preto, outros. a paisagem: scliar e ouro preto, mesmos. sclair é fé:
estou com ele.
prestes homenageado, traço scliar, traço niemeyer. desenho e
palavra mostram a vida tanta: prestes 90 anos.
percorro trípticos, agitado, um. calmo, outro. tensão-dimensão: o ato
compulsivo-dialético do homem. O homem que scliar acredita.
caminho por flores de racionalidade. a flor de racionalidade em
scliar é emoção. cada gesto, domado. cada emoção, domada. domados,
emoção e gesto pulsam, scliar relata: “eu pinto o cheiro das flores.”
quadros claros: esta maior última de scliar. ao “sermam de terceyra
dominga” scliar soma: “e agora.”
ouro preto volta: casario sobre tela. ouro preto volta: gravura com
o grito-bandeira de manuel bandeira que scliar agita:
“meus amigos
meus inimigos
salvemos ouro preto”
corto:
“meus amigos
meus inimigos
salvemos a luta de scliar.”
por cartazes e livros, scliar gráfico apontando caminhos. mesmo
de assinar. assinatura-traço-poema: concreto-pôr-sobre.
ultra-pássaro scliar
liberto tanto
ave!

O poema acima faz parte da exposição Scliar – 80 anos em formato de painel – 160 x 220 cm

Anúncios

Entry filed under: Avulsos, Carlos Scliar. Tags: , .

dos amigos A palavra rude de Romério Rômulo

2 Comentários Add your own

  • 1. lu dias  |  10 junho, 2008 às 1:39 pm

    OURO PRETO

    Encravada na âmago da alma mineira, serena,
    talhada no ouro negro, expelido das vísceras da terra,
    incrustada no cerne de nossas montanhas amenas.

    Foste a canção primeira,
    nas harmonias e desarmonias de nossa saga,
    foste deusa-mãe, foste mãe escrava.

    Parida em meio ao áureo metal,
    o mesmo que enriquecia a corte,
    o mesmo que a servidão alimentava.

    Musa dadivosa a engendrar diamantes,
    rebentos entregues aos que vinham d`além mar,
    estrela luzente de pedras preciosas.

    Ainda carregas em teu bojo tantos encantos, ave!,
    velha-menina-moça, musa atemporal de nossa finitude,
    filha desta terra amada, salvem-na, salvem!

    (Rômulo junto o meu brado ao do Scliar e ao seu)

    Beijos,

    lu

    Resposta
  • 2. Romério Rômulo  |  10 junho, 2008 às 6:44 pm

    lu:
    poema forte.e obrigado por se juntar a nós nesta defesa.entre tantas heranças,scliar deixou especialmente a da luta pelo povo
    brasileiro e seus valores.sem nenhuma grandiloquência.uma luta
    política real travada em todas as frentes possíveis.com as aparentemente impossíveis no horizonte visível.
    um beijo.
    romério

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Feeds

junho 2008
S T Q Q S S D
    jul »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

RSS Fênix em Verso e Prosa

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

%d blogueiros gostam disto: